Tudo que Você Precisa Saber sobre Intercâmbio

Google

Olá queridos leitores,

Na terceira parte dos meus relatos, conto sobre aeroportos, sobre os primeiros dias nos EUA e o choque cultural que a maioria dos intercambistas têm ao chegar à um país diferente.

 

Aeroportos

Se você estiver saindo do Brasil e indo para alguma cidade pequena, você provavelmente fará uma conexão entre seus vôos. (Se estiver indo para os EUA alguns dos possíveis aeroportos em que você fará a primeira parada estão em Atlanta, Chicago, Los Angeles ou Dallas). Antes mesmo de sair da sua casa, pesquise sobre os aeroportos que irá, veja o mapa deles e saiba exatamente o trajeto que terá de fazer. Se souber exatamente para onde deve ir, o risco de se perder (ou de perder o vôo) será bem pequeno. No entanto, caso aconteça, não hesite em perguntar para alguém onde fica “tal lugar”. Outra dica importante, além de estudar o mapa do aeroporto com antecedência, é ficar atento(a) às placas. A sinalização dos aeroportos normalmente é bem eficaz.

 

Primeiros dias nos EUA

Para algumas pessoas a adaptação à um novo lar e família pode levar mais tempo do que para outras. É natural se sentir um peixe for a d’água nos primeiros dias, no entanto, não espere que a sua host family ou amigos farão tudo por você. A maior parte das ações têm que partir de você! Você deve mostrar que está se esforçando para se adaptar à nova cultura, aos hábitos alimentares, ao local, e principalmente à família.

Seja simpático(a), demonstre interesse, experimente novas coisas/situações, pergunte quando não souber algo, busque participar de eventos familiares ou na sua escola, ou seja, sempre que aparecer alguma oportunidade, agarre-a e vá sem medo! Afinal, se você errar ou pagar algum mico, transformará em aprendizado.

 

Choque cultural

Logo que eu cheguei nos EUA, tive um grande choque cultural. As pessoas agiam e falavam de forma menos “calorosa” comparando com os brasileiros, a comida era bastante diferente e o sistema de ensino também.

Nós, brasileiros, temos a fama de sermos bem calorosos, e é claro que muitos americanos também são, mas nos primeiros dias do meu intercâmbio notei que as pessoas não tinham o costume de abraçar e falavam bem diretamente (enquanto nós brasileiros tentamos amenizar e medir algumas falas). Por isso é bom ficar atento(a) às ações dos outros e não se precipitar achando que sua cultura é a mesma em outro país.

Foi inevitável comparar o modo de falar e agir dos americanos com o dos brasileiros. As expressões idiomáticas (ou gírias) são bem diferentes, então escute atentamente e não tenha vergonha de perguntar o que significa. Na maioria das vezes as pessoas serão extremamente compreensíveis e terão o prazer de te ajudar a aprender a língua delas.

A comida foi um fator bem importante. Eu costumava comer relativamente saudável no Brasil e a minha host family não possuia hábitos alimentares compatíveis com os meus. Eles tinham costume de comer hamburgers, sanduíches, pizza, frituras, alimentos pré-prontos e às vezes alimentos bem apimentados. Eu me adaptei, na medida do possível, aos novos hábitos, além ainda de mostrar um pouco da culinária brasileira, e por isso de vez enquando comíamos arroz, feijão entre outros.

Se a sua host family for aberta a conhecer sua cultura, aproveite a oportunidade para mostrar o que acha interessante e relevante. Às vezes algumas pessoas não entendem o motivo de você fazer isso ou aquilo, ou até de não gostar de certo alimento porque você o cozinha diferente. Por isso, seja compreensivo, faça um esforço para se adaptar, tente, prove, e principalmente se desafie. Viver uma nova cultura é difícil e leva tempo/esforço para adaptação.

Senti bastante diferença na escola. Minhas aulas começavam as 8:00 e terminavam por volta das 13:15, com uma pausa para o almoço. Tive de me acostumar a almoçar rapidamente, e na maioria das vezes apenas sanduíches. Eram as mesmas 7 aulas todos os dias, e praticamente na mesma ordem. Por conta da exigência do Ministério da Educação, ao validar meu ano de estudo no exterior, precisei selecionar algumas matérias seguindo a seguinte exigência:

  • Matemática
  • Língua (local)
  • Ciências (escolher entre Química, Física ou Biologia)
  • Estudos Sociais (História, Geografia ou similar)
  • Educação Física
  • Matérias eletivas se houver espaço na grade
 

Conclusão

Esteja 100% aberto ao ir para outro país. Viva a cultura intensamente, adapte-se aos hábitos, peça ajuda quando necessário, aproxime-se de boas pessoas e aproveite a experiência ao máximo, afinal, ela é única!

Confira as partes 1 e 2 dos meus relatos de intercâmbio aqui:

Parte 1

Parte 2

Até a próxima 🙂

Google

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.