Tudo que Você Precisa Saber sobre Intercâmbio

0 212

Get real time updates directly on you device, subscribe now.

Olá queridos leitores,

Na terceira parte dos meus relatos, conto sobre aeroportos, sobre os primeiros dias nos EUA e o choque cultural que a maioria dos intercambistas têm ao chegar à um país diferente.

 

Aeroportos

Se você estiver saindo do Brasil e indo para alguma cidade pequena, você provavelmente fará uma conexão entre seus vôos. (Se estiver indo para os EUA alguns dos possíveis aeroportos em que você fará a primeira parada estão em Atlanta, Chicago, Los Angeles ou Dallas). Antes mesmo de sair da sua casa, pesquise sobre os aeroportos que irá, veja o mapa deles e saiba exatamente o trajeto que terá de fazer. Se souber exatamente para onde deve ir, o risco de se perder (ou de perder o vôo) será bem pequeno. No entanto, caso aconteça, não hesite em perguntar para alguém onde fica “tal lugar”. Outra dica importante, além de estudar o mapa do aeroporto com antecedência, é ficar atento(a) às placas. A sinalização dos aeroportos normalmente é bem eficaz.

 

Primeiros dias nos EUA

Para algumas pessoas a adaptação à um novo lar e família pode levar mais tempo do que para outras. É natural se sentir um peixe for a d’água nos primeiros dias, no entanto, não espere que a sua host family ou amigos farão tudo por você. A maior parte das ações têm que partir de você! Você deve mostrar que está se esforçando para se adaptar à nova cultura, aos hábitos alimentares, ao local, e principalmente à família.

Seja simpático(a), demonstre interesse, experimente novas coisas/situações, pergunte quando não souber algo, busque participar de eventos familiares ou na sua escola, ou seja, sempre que aparecer alguma oportunidade, agarre-a e vá sem medo! Afinal, se você errar ou pagar algum mico, transformará em aprendizado.

 

Choque cultural

Logo que eu cheguei nos EUA, tive um grande choque cultural. As pessoas agiam e falavam de forma menos “calorosa” comparando com os brasileiros, a comida era bastante diferente e o sistema de ensino também.

Nós, brasileiros, temos a fama de sermos bem calorosos, e é claro que muitos americanos também são, mas nos primeiros dias do meu intercâmbio notei que as pessoas não tinham o costume de abraçar e falavam bem diretamente (enquanto nós brasileiros tentamos amenizar e medir algumas falas). Por isso é bom ficar atento(a) às ações dos outros e não se precipitar achando que sua cultura é a mesma em outro país.

Foi inevitável comparar o modo de falar e agir dos americanos com o dos brasileiros. As expressões idiomáticas (ou gírias) são bem diferentes, então escute atentamente e não tenha vergonha de perguntar o que significa. Na maioria das vezes as pessoas serão extremamente compreensíveis e terão o prazer de te ajudar a aprender a língua delas.

A comida foi um fator bem importante. Eu costumava comer relativamente saudável no Brasil e a minha host family não possuia hábitos alimentares compatíveis com os meus. Eles tinham costume de comer hamburgers, sanduíches, pizza, frituras, alimentos pré-prontos e às vezes alimentos bem apimentados. Eu me adaptei, na medida do possível, aos novos hábitos, além ainda de mostrar um pouco da culinária brasileira, e por isso de vez enquando comíamos arroz, feijão entre outros.

Se a sua host family for aberta a conhecer sua cultura, aproveite a oportunidade para mostrar o que acha interessante e relevante. Às vezes algumas pessoas não entendem o motivo de você fazer isso ou aquilo, ou até de não gostar de certo alimento porque você o cozinha diferente. Por isso, seja compreensivo, faça um esforço para se adaptar, tente, prove, e principalmente se desafie. Viver uma nova cultura é difícil e leva tempo/esforço para adaptação.

Senti bastante diferença na escola. Minhas aulas começavam as 8:00 e terminavam por volta das 13:15, com uma pausa para o almoço. Tive de me acostumar a almoçar rapidamente, e na maioria das vezes apenas sanduíches. Eram as mesmas 7 aulas todos os dias, e praticamente na mesma ordem. Por conta da exigência do Ministério da Educação, ao validar meu ano de estudo no exterior, precisei selecionar algumas matérias seguindo a seguinte exigência:

  • Matemática
  • Língua (local)
  • Ciências (escolher entre Química, Física ou Biologia)
  • Estudos Sociais (História, Geografia ou similar)
  • Educação Física
  • Matérias eletivas se houver espaço na grade
 

Conclusão

Esteja 100% aberto ao ir para outro país. Viva a cultura intensamente, adapte-se aos hábitos, peça ajuda quando necessário, aproxime-se de boas pessoas e aproveite a experiência ao máximo, afinal, ela é única!

Confira as partes 1 e 2 dos meus relatos de intercâmbio aqui:

Parte 1

Parte 2

Até a próxima 🙂

Get real time updates directly on you device, subscribe now.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.